29.3 C
Manaus
20 de abril de 2024 | 11:56

Amazonas Energia sofre terceira derrota na Justiça ao pedir a implantação do novo sistema de medição

O presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Domingos Chalub, não acatou ao novo pedido apresentado pela Amazonas Energia, solicitando a retomada da instalação do novo sistema de medição centralizada. A decisão foi divulgada na quinta-feira (3-fev).

Esta é a terceira derrota da Amazonas Energia na Justiça, que tenta derrubar a liminar apresentada pelo senador Eduardo Braga, nos autos da Ação Popular que determinou, no dia 21 de janeiro, a suspensão da implantação do novo sistema de medição centralizada que iria substituir a leitura e medição manual do consumo de energia elétrica.

Na ação apresentada por Braga, o juiz determinou também a suspensão da cobrança das medições já efetuadas pelo novo sistema, que está em funcionamento nos bairros Cidade Nova, Colônia Santo Antônio, Nova Cidade, Parque Dez, Riacho Doce e da União.

Foi estabelecida multa de R$ 300 mil caso a companhia não cumpra as medidas, no prazo de 30 dias.

Justiça do AM em defesa do consumidor amazonense

Hoje, o fundamento usado pelo presidente do TJAM, Domingos Chalub, para indeferir o novo pedido da empresa foi que a “Amazonas Energia S.A. não se desincumbiu de seu ônus probatório em demonstrar que observou o direito de informação prévia de seus consumidores acerca da nova metodologia de medição do consumo aplicado”.

A proteção do consumidor amazonense, foi uma das justificativas citadas na Ação Popular que paralisou a instalação.

“A proteção aos direitos do consumidor é medida que se impõe, especialmente, por se tratar de nítido resguardo do interesse público, consubstanciado na proteção da ordem pública e econômica”, consta na decisão de Chalub.

Por fim, o presidente do TJAM não acatou ao pedido da empresa para retomada. “Ante o exposto, tendo em vista que das alegações da requerente não se extrai comprovação e lesão à ordem pública, jurídica ou administrativa, tão pouco, lesão à segurança e economia pública que justifique a concessão da contracautela prevista no art. 4 da Lei 8.437/1992, indefiro o pedido de suspensão formulado pela empresa Amazonas Energia S/A”, finalizou.

Leia também outras matérias

Wilson Lima destaca importância de projeto Anatel que levará Internet para o Alto Solimões

Redação Zero Hora AM

Pescar tucunaré em áreas de preservação pode se tornar infração gravíssima, propõe vereador Caio André

Redação Zero Hora AM

População ajuda jacaré que ficou encalhado no Centro de Manaus; veja o vídeo

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Pular para o conteúdo