28.3 C
Manaus
7 de fevereiro de 2023 | 13:55

Cabo da PM é torturado e morto a tiros em Manaus

Mais um caso  envolvendo a falta de segurança na capital, desta vez o cabo da Polícia Militar, Isaías Cardoso de Oliveira Filho, de 31 anos, foi torturado e morto a tiros na madrugada desta quarta-feira (04-mai), na mesma residência onde ocorreu um triplo homicídio, na rua Praia do Forte, na comunidade Parque Rio Solimões, no bairro Tarumã, na zona Oeste de Manaus.

O corpo do policial foi encontrado no fundo do quintal da casa, onde três homens foram executados por criminosos na tarde de terça-feira (03-mai). A vítima foi encontrada com marcas de tortura e tiros pelo corpo. Isaías era morador do local.

Conforme informações do tenente-coronel da PM, Eddie Censa, embora o corpo do policial tenha sido encontrado no local do crime, a polícia descarta a relação com o triplo homicídio.

“Em primeiro lugar o fato de terem executado o nosso colega não tem nada a ver com o triplo homicídio. Em segundo, a Polícia Militar e a Polícia Civil, integrados, estão investigando o caso para saber o que de fato aconteceu desde a madrugada de ontem para hoje. O fato é que nosso colega foi alvo de criminosos, mas as autoridades estão trabalhando para chegar nos autores deste homicídio”, explicou.

Ainda conforme a autoridade, o cabo foi vítima de uma possível retaliação, visto que Isaías estava sendo ameaçado de morte na área, por ser um policial que combatia o tráfico na região.

“Na verdade, o nosso cabo era simplesmente um morador, morava na parte de trás dessa casa que aconteceu o triplo homicídio e a apreensão dos entorpecentes, mas ele não tem envolvimento com o triplo homicídio, e no momento ele está sendo enquadrado como vítima”, explicou.

O tenente ressaltou que ser policial bom pode custar caro. A fala do PM é descartando a informação que o cabo tinha envolvimento com o tráfico de drogas.

“Ele era um policial nato, um cara produtivo que trazia resultado, um cara que honrava a farda. Na sua folga não perturbava ninguém. De conduta bastante exemplar, muito família, então não existe outra coisa a não ser retaliação. É o preço que nós policiais militares pagamos em troca de defender a vida de inocentes, pessoas que a gente não conhece”, disse o policial.

O Instituto Médico Legal (IML) realizou a remoção do corpo da vítima. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) investiga o caso.

 

Leia também outras matérias

Pesquisa investiga uso de mandioca no tratamento do câncer de pele

Redação Zero Hora AM

Águas de Manaus divulga nomes de alunos selecionados no projeto Jovens Pioneiros

Redação Zero Hora AM

Empreiteiras lucram há 30 anos com reforma da BR-319, que nunca fica pronta, afirma Serafim

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Skip to content
%d blogueiros gostam disto: