31.3 C
Manaus
24 de junho de 2024 | 13:47

Combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes é defendido por dep. Tony Medeiros

No Brasil, o 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Diante do aumento de casos no Amazonas, o deputado estadual Tony Medeiros (PL) defendeu a união de todos no combate a esse crime e que o tema seja uma pauta permanente no Poder Legislativo Estadual.

De acordo com o deputado, os números divulgados por instituições brasileiras e internacionais mostram que a situação é cada vez mais preocupante.

Para citar como exemplo, Tony disse que a cada hora, mais de três crianças sofrem violência sexual no Brasil. De 2011 a 2017, das 527 mil vítimas de estupro, 51% eram crianças e adolescentes.
As crianças tinham entre 1 e 5 anos. Em 2021 foram registradas quase 19 mil casos de crimes sexuais e em 2022 já foram quase 5 mil.


Trazendo para a realidade do Estado, o deputado divulgou que, segundo a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), este ano, já foram registrados 1.557 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes.

“Os números são preocupantes, ainda mais quando se sabe que esses são casos denunciados. E aqueles que por um motivo ou outro não conseguiram chegar às autoridades policiais?”, questionou o deputado.
O parlamentar lembrou ainda que para mudar essa realidade é preciso implementar mais políticas públicas.
Nesse sentido, Tony destacou a criação do Centro Integrado da Criança e do Adolescente vítimas ou testemunhas de violência em todo o Estado do Amazonas.


O Centro, que deve funcionar na própria DEPCA, está sendo reivindicado por várias instituições que formam a Rede de Proteção, Defesa e Promoção das Crianças e Adolescentes.

“Vamos lutar pela criação deste Centro, pois assim vamos fortalecer a luta em defesa dos nossos jovens”, salientou Tony Medeiros.

O dia 18 de maio foi escolhido porque nessa data em 1973, em Vitória (ES) a menina Aracelli, de 8 anos, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta. O crime que ficou conhecido como o “Caso Aracelli”, e até hoje permanece impune.

Leia também outras matérias

Mais de dez mil cristãos lotam a bola da Suframa em apoio ao Presidente Bolsonaro

Redação Zero Hora AM

Operação do Governo Federal no rio Madeira foi desastrosa e acelerou contaminação por mercúrio, avalia Serafim

Redação Zero Hora AM

Detran Amazonas: leilão com 244 veículos começa amanhã

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Pular para o conteúdo