30.3 C
Manaus
6 de dezembro de 2022 | 20:49

Deputado Fausto Jr. processa Omar Aziz com ação de queixa-crime

O deputado estadual Fausto Jr. (MDB) protocolou uma queixa-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Omar Aziz (PSD). O parlamentar acusa Aziz de calúnia em declarações feitas durante participação do deputado na CPI da Covid no Senado, em 29 de junho.

O senador, na época, exercia o cargo de presidente da CPI e conduzia a Comissão.

De acordo com Fausto Jr, o senador usou a CPI como instrumento político em benefício próprio e fez acusações levianas contra o deputado, que foi o relator da CPI da Saúde no Amazonas.

No documento enviado ao STF, o deputado pede que o senador pague uma indenização de 30 salários mínimos por conta do suposto crime contra a honra e por calúnias proferidas por Omar.

A queixa-crime é assinada pelas advogadas Luciana Pires, Juliana Bierrenbach e Karina Kufa; esta última também advoga para o presidente da República, Jair Bolsonaro.

No depoimento à CPI da Covid no Senado, Fausto apresentou os resultados do trabalho da CPI do Amazonas, onde foi detectado R$ 1,5 bilhão de pagamentos indenizatórios com suspeitas de irregularidades e corrupção.

O total de 149 empresas foram investigadas, além do pedido de indiciamento de 50 pessoas – ressaltando que desses 50, 14 pessoas foram presas nas três operações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, entre secretários, empresários e servidores públicos.

Fausto afirmou em seu depoimento que pediu o prosseguimento das investigações da Operação Maus Caminhos e afirmou que Omar Aziz deveria ter sido indiciado, o que provocou a irá do senador.

Após a participação na CPI do Senado, Fausto e seus familiares passaram a sofrer represálias, calúnias, perseguições e ameaças.

Na ação contra o senador Omar Aziz, o deputado Fausto Jr. reitera ainda que o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado utilizou de maneira ilegal a CPI em benefício próprio para atacar e intimidar seus adversários e criar narrativas políticas a seu favor.

Omar diversas vezes usou seu poder de forma arbitrária, como quando solicitou, através da CPI do Senado, de maneira ilegal, a quebra do sigilo fiscal, telefônico e bancário do deputado Fausto Jr. e de seus familiares, que não tinham ligação nenhuma com as investigações da Comissão.

A ação violou os princípios fundamentais assegurados pela Constituição da República, configurando-se como ato de abuso de autoridade.

Vale ressaltar que a manobra de Omar foi rechaçada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Roberto Barroso, que impediu que Omar utilizasse a CPI em benefício próprio.

“O poder atribuído às CPIs de decretar quebra de sigilos deve ser exercido relativamente às pessoas por ela investigadas, e não a terceiros”, argumentou o ministro.  “Os requerimentos não especificam quais informações e dados dentro desse universo guardariam relação com o objeto da investigação e seriam, então, do interesse da CPI.”, acrescentou Barroso.

Veja no link o que disse o deputado Fausto Jr.

https://www.instagram.com/faustojram/tv/CYFS-lQKVn5/?utm_medium=share_sheet

 

Leia também outras matérias

Amom Mandel lança na Internet campanha para deputado federal

Redação Zero Hora AM

Estudantes em extrema pobreza vão receber absorventes higiênicos doados pelo governo do AM

Redação Zero Hora AM

Deputado Dermilson Chagas propõe PEC para destinar 1% do FTI para tratamento de pacientes fora do AM

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Skip to content
%d blogueiros gostam disto: