30.3 C
Manaus
27 de fevereiro de 2024 | 16:02

Ministério Público do AM vai apurar cobrança irregular de estacionamento no festival do CSU, após denúncia de Wilker Barreto

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPAM) instaurou inquérito civil para apurar o funcionamento de um estacionamento irregular e a cobrança indevida de valores durante o 42º Festival Folclórico do Complexo Social Urbano (CSU) do bairro Parque Dez de Novembro, entre os dias 9 de junho a 9 de julho deste ano.

A decisão atende a uma representação do deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania), ingressada no órgão de controle dia 11 de outubro deste ano, que pedia a apuração dos atos e a responsabilização cível e criminal dos organizadores do evento, considerado um dos mais tradicionais da cidade.

Em portaria publicada na última segunda-feira (27-nov), o promotor Lauro Tavares da Silva determinou a instauração do inquérito civil para apurar a utilização indevida do estacionamento do CSU, além da cobrança abusiva de R$ 10 para os frequentadores do evento folclórico que quisessem estacionar seus veículos numa área pública verde dentro do local.

Além disso, o promotor solicitou à Semasc informações e um relatório acerca do presente objeto de inquérito, num prazo de 10 dias.

Apurando responsabilidades

Na representação de Wilker protocolada no MPAM, o parlamentar pede a apuração dos atos e a responsabilização cível e criminal contra o prefeito de Manaus, David Almeida, o diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Osvaldo Cardoso Neto, do secretário municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), Eduardo Lucas da Silva, o vereador Gilmar Nascimento e seu assessor, Sindeam Barros, pelos atos irregularidades ocorridos durante o festival: a destruição da mureta do complexo esportivo para a construção irregular de um “estacionamento rotativo”, com valor de R$ 10 por veículo.

“Reforço a necessidade de ser verificado o possível cometimento tanto pelo Chefe do Executivo, quanto pelos demais citados na Representação, o cometimento de improbidade, haja vista demonstração de evidências, uma verdadeira privatização de um patrimônio público que é o CSU”, cita o documento.

Além do MPAM, Wilker acionou o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), no dia 26 de junho, com uma representação pedindo a apuração de possíveis irregularidades e a prestação de contas dos recursos investidos e arrecadados no evento, bem como a responsabilização dos agentes públicos envolvidos.

Leia também outras matérias

18 crianças e professora são mortas a tiros em escola nos EUA

Redação Zero Hora AM

Projeto do vereador Professor Samuel que pede instalação de brinquedos adaptados para crianças PcD segue para sanção do prefeito

Redação Zero Hora AM

Residencial Manauara 1 recebe mutirão de limpeza solicitado pelo vereador Sassá

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Pular para o conteúdo