26.3 C
Manaus
27 de novembro de 2022 | 12:39

O que pode acontecer com os pais que não vacinam os filhos contra Covid?

Reportagem exclusiva do portal Zero Hora AM.

O que fazer quando pais e mães de crianças não aceitam a vacinação dos filhos contra a Covid-19?

A Constituição Brasileira é bem clara quando coloca aos pais e responsáveis a obrigação de vacinar os filhos.

O artigo 227 da Constituição diz que “é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de coloca-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (Eca) também deixa claro a obrigatoriedade dos pais e responsáveis em imunizar os filhos e dependentes contra todas as doenças. Isso vale também para a Covid-19.

Em recentes debates no Supremo Tribunal Federal (STF), ficou decidido que o uso de argumentos religiosos, políticos e ideológicos contra a vacinação não podem ser usados para não imunizar crianças e adolescentes.

“Pais e mães não podem dizer que por questões religiosas ou ideológicas não vacinarão os filhos”, explica o juiz da Infância e Adolescência, Iberê de Castro Dias. “O que podem argumentar é algum problema de saúde, uma razão clínica comprovada, onde a aplicação da vacina não é recomendada”, acrescentou.

O que pode acontecer?

Os pais que não vacinarem os filhos, seguindo as recomendações dos órgãos de Saúde, inclusive contra a Covid-19, podem ser multados com penas que variam entre três a 20 salários mínimos. No caso de reincidência, a pena é dobrada.

O Eca estabelece que os pais que não vacinarem os filhos podem perder a guarda da criança, além de outras medidas incluídas no estatuto.

No Brasil, a única vacina contra Covid autorizada a ser aplicada em crianças e adolescentes é a da fabricante Pfizer.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Pfizer realizou estudo com 4.000 crianças que garantiu a segurança do imunizante, apontando eficácia de 90% de proteção nesse público.

Leia também outras matérias

Tony Medeiros destina mais de R$ 3 milhões para Parintins por meio de Emendas Parlamentares

Redação Zero Hora AM

LAVA-JATO: Ministro do STF afirma que “não há provas contra Eduardo Braga”

Redação Zero Hora AM

Deputado Pablo acompanha uso de emendas parlamentares no SPA Danilo Corrêa e no Instituto da Criança

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Skip to content
%d blogueiros gostam disto: