26.3 C
Manaus
27 de novembro de 2022 | 11:09

Entenda a origem do conflito entre Rússia e Ucrânia

Nos últimos dias, a tensão entre Rússia, Ucrânia e os países da Otan tem chamado atenção de todo o mundo. O reconhecimento da independência das regiões separatistas, Donetsk e Luhansk, o envio de tropas para as fronteiras e a autorização do Congresso russo para uso de tropas militares no exterior aumentou ainda mais os rumores sobre uma guerra. Diante desses acontecimentos, os Estados Unidos e seus aliados da Otan começaram a impor sanções para tentar parar os atos de Vladimir Putin e fazer prevalecer a diplomacia.

A principal razão por trás desse conflito é o desejo da Ucrânia em fazer parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), uma aliança militar internacional fundada em 1949 e que conta com 30 países-membros, entre eles: Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Turquia. Contudo, os motivos vão além, conforme fala o cientista político Leandro Consentino: “O que está em jogo é uma questão cultural e geopolítica, pelo fato da Rússia não querer um vizinho convertido ao ocidente, um vizinho inscrito na Otan e com laços com a União Europeia. A Rússia tenta preservar sua influência sobre uma área que já foi a cabeça da União Soviética. Para Putin, a Ucrânia ainda pertence ao império russo. O conflito tem a ver com laços culturais, mas, sobretudo, com laços políticos”.

A origem do conflito entre as duas nações

Com o colapso da União Soviética em 1991, países que antes faziam parte da URSS passaram a se associar à Otan, como: Lituânia, Letônia e Estônia. A Ucrânia também manifesta interesse em fazer parte da organização. Só que, pelo fato de fazer divisa com a Rússia e ser um antigo pedaço russo, Putin não a considera como Estado soberano, mas sim uma parte de seu país. Por isso, o presidente russo quer voltar a ter influência sobre a região e redesenhar as fronteiras geopolíticas da era Soviética. Esse é um dos motivos pelos quais ele não quer que a participação ucraniana na Otan aconteça, pois alega que essa ação prejudicaria seu país e seria uma ameaça existencial à Rússia, já que fala que o lugar onde a Ucrânia se encontra hoje possui armas nucleares, assim como a região da Polônia, onde se localizam as bases de mísseis da Otan.

Desde sua fundação, em 1991, a Ucrânia ficou dividida. “Um lado poderia se aproximar da União Europeia e o outro manter os laços com a Rússia, mas parte da elite do país acreditou ser melhor e mais benéfico estar junto com os países do ocidente”, explica o cientista político. Mas a Rússia não está disposta a ceder uma terra que já lhe pertenceu, e por isso ela tenta recuperar seu domínio sobre esses territórios. “O primeiro início de invasão aconteceu em 2014, na Crimeia, e culminou na anexação de províncias separatistas. Agora, estamos vendo um segundo lance de preservar a Ucrânia do seu lado. Naquele momento, apoiadores pró-Rússia foram retirados do poder”, contextualiza Consentino em relação às duas tentativas russas de ter novamente poder sobre as terras ucranianas.

Neste segundo ataque russo em oito anos, é possível ver o ocidente com uma ofensiva muito maior. “Eles não estão tolerando essa tentativa da Rússia de se impor sobre a soberania da Ucrânia”, diz o cientista político. Na terça-feira, 22, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e representantes da Alemanha, Reino Unido e França adotaram sanções contra os atos de Putin. Nesse primeiro momento, Biden anunciou que autorizou o envio de tropas norte-americanas para a Letônia e Lituânia, e que a partir de quarta-feira, 23, o banco militar russo e o VTB estariam bloqueados, além do fato de que a Rússia não pode mais conseguir dinheiro no ocidente.

Diante desse cenário, Consentino não acredita que haja uma solução fácil para o conflito, visto que nenhum dos dois lados quer abrir mão de suas exigências. Para ele, a melhor maneira seria escolher a diplomacia e ouvir qual o desejo da Ucrânia, pois “se somos pautados pela carta da ONU, que diz que cada país decide seus próprios termos, é preciso ouvir o desejo dos ucranianos”. Questionado sobre acreditar em uma possível invasão, o pensamento do especialista é igual ao de Joe Biden e do secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg. “Se entender invasão como ataques pontuais, me parece que já aconteceu. Se olharmos nesse momento e em momentos anteriores, vamos ver que já aconteceu e ainda está acontecendo. Uma invasão completa acho mais improvável, porque é um custo muito alto, tanto do ponto de vista efetivo e de recursos, como de reputação. Agora, pequenos avanços sobre a soberania da Ucrânia, vamos continuar tendo”, finaliza.

Posicionamento do Brasil

Desde a visita do presidente Jair Bolsonaro à Rússia, que aconteceu na quarta-feira, 16, em meio a uma possível guerra, muito se tem falado sobre o posicionamento do Brasil em relação ao conflito no leste europeu. Para Consentino, a ida de Bolsonaro para um país que está invadindo o outro deixa o Brasil mal visto lá fora, porque “estamos nos metendo em uma situação que não temos recursos o suficiente para mudar o curso das ações e para poder nos aliar a qualquer um dos lados”. “Com a sua ida, ele se coloca em um conflito que não tem condições e recursos para se envolver. Ele desgasta nossa visão de uma forma que não precisava, pois não podemos fazer aliança com a Rússia, e também carecemos da confiança do ocidente para dizer que não estávamos fazendo uma aliança.”

A ida de Bolsonaro para a Rússia chamou a atenção dos representantes internacionais. A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que o Brasil “parece estar do lado oposto à maioria da comunidade global” em relação ao conflito entre Rússia e Ucrânia. Desde essa declaração, o Ministério das Relações Exteriores começou a falar mais sobre o assunto. Em nota divulgada na terça-feira, 22, eles sugeriram uma “solução negociada” para a crise entre Rússia e Ucrânia. O Itamaraty se posicionou em defesa dos “legítimos interesses de segurança” dos países. “Diante da situação criada em torno do status das autoproclamadas entidades estatais do Donetsk e do Luhansk, o Brasil reafirma a necessidade de buscar uma solução negociada, com base nos Acordos de Minsk, e que leve em consideração os legítimos interesses de segurança da Rússia e da Ucrânia e a necessidade de respeitar os princípios da Carta das Nações Unidas”, diz nota.

Escalada de tensões

O conflito entre Rússia e Ucrânia ficou ainda mais tenso nesta semana após Vladimir Putin reconhecer a independência de Donetsk e Luhansk, duas regiões da Ucrânia, ter a aprovação do Congresso russo para uso de forças militares no exterior, e ter enviado tropas para as fronteiras, sinalizando uma possível invasão completa. Mas, apesar das decisões, Putin havia dito que não iria invadir o país vizinho e que estava aberto ao diálogo. Porém, também afirmou que não abre mão de suas exigências, sendo uma delas que a Ucrânia nunca ingresse na Otan. Ao reconhecer a independência de duas regiões separatistas que não fazem parte da Rússia, Putin cometeu uma “flagrante violação de direito internacional”, segundo a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Por causa das ações de Putin, líderes de países-membros da Otan e os Estados Unidos passaram a impor sanções como forma de tentar impedir os avanços russos. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou sanções aos bancos russos e afirmou que, mesmo na atual situação, não irá desistir de buscar uma solução por vias diplomáticas “até o fim”. “O Reino Unido está sancionando os seguintes bancos: Rossiya, IS Bank, General Bank, Promsvyazbank e o Black Sea Bank, assim como três indivíduos”, afirmou Johnson. O chanceler alemão, Olaf Scholz, anunciou a interrupção do início da operação do gasoduto Nord Stream 2, que transportaria gás da Rússia até a Alemanha. Representantes franceses anunciaram mais de 27 sanções contra instituições e indivíduos russos que estariam minando a integridade ucraniana, ou seja, poderiam financiar a postura russa.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, autorizou o envio de tropas americanas para a Letônia e Lituânia e o bloqueio do banco militar russo e VTB, além de impor sanções sobre a dívida russa, que não pode mais conseguir dinheiro no ocidente. O primeiro-ministro do Japão anunciou a suspensão de vistos e o congelamento de fundos dos territórios separatistas ucranianos, que passarão a estar sujeitos a um embargo comercial. Além disso, o governo irá bloquear novas emissões de dívida soberana russa nos mercados japoneses. Com o anúncio das sanções, principalmente as dos EUA, a Rússia prometeu uma resposta “forte e dolorosa”. Em declaração, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que não deve haver dúvidas sobre sua posição diante da questão: “Haverá uma resposta forte a essas sanções, não necessariamente simétricas, mas bem calculadas e dolorosas para os Estados Unidos”.

Leia também outras matérias

Amom terá 1 segundo de tempo de TV e rádio para conquistar eleitor no horário eleitoral

Redação Zero Hora AM

Plínio Valério é usado por Wilson Lima para atrapalhar candidatura de Amazonino

Redação Zero Hora AM

Bancada do AM se divide na votação da PEC do voto impresso na Câmara

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Skip to content
%d blogueiros gostam disto: