25.3 C
Manaus
4 de dezembro de 2022 | 05:32

Renda básica permanente sugerida por Eduardo Braga é garantida na Constituição

A renda básica para famílias em situação de vulnerabilidade passou a ser uma política permanente no Brasil, com a promulgação da chamada PEC dos Precatórios pelo Congresso Nacional, nesta quinta-feira (16-dez).

“É um avanço e tanto. A renda básica precisava ser uma política de Estado, não uma política de governo”, comemorou o líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), autor da emenda que assegurou a inclusão da renda básica como direito social previsto na Constituição Federal.

Os recursos para bancar o Auxílio Brasil de R$ 400  mensais até o final do próximo ano virão da PEC dos Precatórios, que abriu espaço de R$ 106,1 bilhões no Orçamento de 2022, com a mudança na regra do teto de gastos – que limita o crescimento da despesa pública à correção da inflação – e o adiamento do pagamento de parcela dos precatórios, que são dívidas da União  com estados, municípios, pessoas e empresas, das quais não cabem mais recursos à Justiça.

Nova lei irá determinar os limites, condições e demais requisitos do programa de transferência de renda a partir de 2023.

Mais dignidade a quem precisa de ajuda

“A renda básica permanente garante um mínimo de segurança e  de dignidade aos brasileiros que vivem uma realidade de exclusão e falta de oportunidades”, declarou Eduardo Braga, ressaltando as dificuldades enfrentadas pela parcela mais pobre da população, num cenário de desemprego e inflação alarmantes.

O senador lembrou que mais de 19 milhões de brasileiros vivem em situação de grave insegurança alimentar, de acordo com pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan.)

Eduardo Braga chamou atenção para outras conquistas asseguradas após quatro meses de negociações e muita polêmica em torno da PEC dos Precatórios. Uma delas é a ressalva de que o espaço fiscal aberto pela PEC só poderá ser usado em programas de transferência de renda, saúde, previdência social e assistência social.

Outra é a criação de uma comissão mista no Congresso para acompanhar a geração e execução dos precatórios, com apoio do Conselho Nacional de Justiça e do Tribunal de Contas da União.

Autor da emenda que sugeriu criação da comissão, Eduardo Braga defendeu a necessidade de monitoramento rigoroso dos precatórios: “Não podemos pensar apenas numa solução emergencial, nem continuar a ser pegos de surpresa com a escalada das dívidas judiciais, como nos últimos anos. Sem um controle firme por parte do Congresso, do TCU e do CNJ, os precatórios seguirão crescendo como bola de neve montanha abaixo e vão se tornar impagáveis”.

Mudança importante feita no Senado e referendada pela Câmara reduziu em dez anos – de 2036 para 2026 – as condições excepcionais de pagamento dos precatórios.

Também fruto de muita negociação, a partir de emenda de Eduardo Braga, foi a garantia de que 60% dos precatórios relacionados ao Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério) serão destinados ao pagamentos dos professores, inclusive aposentados e pensionistas, em forma de abono.

Leia também outras matérias

Silas Câmara integra Elite Parlamentar como um dos mais influentes do Congresso Nacional, segundo pesquisa.

Redação Zero Hora AM

Governo do AM repete mesmos erros no combate à pandemia; quem paga o preço são os amazonenses

Redação Zero Hora AM

Em Itacoatiara e Silves, deputado Pablo presta contas dos investimentos em Saúde e Educação

Redação Zero Hora AM
Carregando....
Skip to content
%d blogueiros gostam disto: